Alguns Resultados dos Fóruns (Social e Econômico) Mundiais

Mais autênticos deixam o Partido (dito) dos Trabalhadores

Durante o Fórum Social Mundial, mais de 100 pessoas filiadas ao PT, entre sindicalistas, dirigentes do partido e economistas históricos anunciaram a sua desfiliação do Partido. À frente deles Plínio de Arruda Sampaio, que declarou: “O governo Lula acabou com as expectativas da esquerda no Brasil. Doeu muito. Mas agora é hora de pensar em alternativas”. Afirmou ainda: “Fizemos um manifesto da ruptura com 13 motivos para sair do PT, mas posso afirmar que existem dois motivos principais. O primeiro é que o PT deixou de ser um partido que luta por mudanças sociais. O outro motivo é que o partido fez a opção pela manutenção da ordem atual e acreditamos que esta será uma postura irreversível”.

O grupo ainda está deliberando os rumos a tomar a partir desta decisão. A única posição formal tomada é a de não criar um novo partido, provavelmente venham a aderir a algum partido que ainda levanta as seguras bandeiras da esquerda autêntica e histórica no Brasil, como o PSTU ou mesmo o PSOL. Espera-se ainda para muito breve, a partir desta liderança, crucial e norteadora do PT, que centenas de outros petistas efetivarão sua desfiliação dentro de pouco tempo. Arruda estima que “pelo menos mais 500 filiados deverão proceder da mesma forma”.


Fórum Econômico Mundial

Lula chegou em Davos, na Suíça, num dos aviões mais modernos e caros do mundo, levando um séqüito enorme às expensas do povo brasileiro e falou em nome da pobreza, pedindo esmolas aos ricos: “se todos dessem só um pouquinho, talvez em 30 anos não tivéssemos mais fome no mundo”. John Williamson, economista ultra-conservador considerado por muitos o “pai” do chamado “consenso de Washington” observou que o Brasil deveria começar dando o exemplo ao mundo, uma vez ser o país do mundo com pior distribuição de renda do planeta (permita-me repetir, para ênfase, o Brasil não é um dos países com pior distribuição de renda , mas o país que tem a pior distribuição de renda do mundo: um número pequenino de pessoas muito ricas e uma multidão de pobres e miseráveis) acrescentou a informação de que o processo de concentração de riquezas no país nos últimos dois anos agudizou-se gravemente.

Se já é difícil – e isso lá é forma de governar? – pedir esmolas aos ricos do mundo chegando em avião de luxo com comitiva nababesca, quando se representa um país de poucos muito ricos no meio de uma vastidão de miséria não se comove ninguém... Se não fosse o fato de estar nos torturando há dois anos com os maiores juros e as mais elevadas taxas de impostos do mundo, prestando o pior serviço público (saúde, educação e segurança) do planeta, dava quase para sentir pena do coitado do Lula, humilhado em Davos diante dos fatos. Sua assessoria deveria instruí-lo um tantinho melhor.


Algumas declarações feitas no Fórum Social Mundial

“A globalização é uma forma nova de imperialismo. Por trás dessa idéia aparentemente simples de uma globalização econômica, esconde-se, hoje nem sequer esconde-se, uma ambição imperialista que nos mostra os sonhos de poder dos Estados Unidos, o sistema capitalista que, enfim, tem um objetivo claro.” – José Saramago.

“Temos que dizer não à guerra, não às torturas, às violações dos Direitos Humanos e responsabilizar Bush por crimes de lesa humanidade.” Adolfo Perez Esquivel.

“Temos de financiar a defesa dos Direitos Humanos no mundo. E temos alternativas para isso, começando pela anulação da dívida externa, porque o pagamento da dívida externa significa uma hemorragia tremenda do tesouro público dos governos para os tesouros privados, multilaterais e bilaterais. Primeiro é preciso anular a dívida pública com o exterior dos países endividados. Esta dívida já foi paga várias vezes.” – Eric Toussaint.

“No se puede permitir que en el mundo se imponga el pensamiento del presidente de los Estados Unidos, George W. Bush porque significaría el hundimiento del planeta producto de las tesis neoliberales, capitalistas y hegemónicas .” “En Venezuela no se desmontará el control de cambio. En Venezuela seguirá habiendo el control de cambio sobre la moneda venezolana para proteger al país de la fuga de capitales, de la especulación financiera y de los capitales golondrinos que han desbancado a más de un país.” – Hugo Chavez.

“Lula está seguro no volante e pisando no acelerador do social, mas o freio de mão da economia está puxado”. – “Frei” Betto (Em outras palavras: o Brasil está sendo governado por um louco que o governa como quem dirige um automóvel com o freio de mão puxado.)

Mais detalhes em www.forumsocialmundial.org.br


Algumas Pérolas do Fórum Econômico Mundial

Henrique Meirelles informa que o brasileiro não gosta, mas precisa fazer dieta. Segundo a leitura do louco que toma conta do hospício, nosso problema não seria a fome, mas a obesidade. Na economia, o que provoca inflação não são os preços elevados, mas o excesso de consumo. Apesar de todo o esforço do governo no sentido contrário, o brasileiro ainda tem renda e compra muito, por isso existe o perigo da volta da inflação. Para evitá-lo, é necessário reduzir ainda mais a renda dos brasileiros através da manutenção de uma política violenta de juros altos, impostos extorsivos e déficit primário recorde.

Meirelles e Palocci disseram em seminário que nenhum país cresce sem ajustar-se ao FMI e às suas metas para a inflação. Contrariando o discurso dos timoneiros da economia brasileira, os fatos: a Venezuela de Hugo Chavez, inimigo declarado dos EUA e tudo o que representam, evidentemente sem acordo com o FMI, cresceu 20% em 2004. A China, também sem vergar-se ao FMI, cresceu 18%. O Brasil, por seu turno, país que no discurso tem um governo compartilhado com o FMI mas na prática a ele se subordina, cresceu míseros 4% no ano passado – e ainda assim devido à comparação com 2003, quando teve crescimento negativo...

 

Lázaro Curvêlo Chaves - 31 de janeiro de 2005






© Copyright libertad-digital.com





Development Services Network Presence
www.catalanhost.com