Crise Interminável

 

Já escrevi neste mesmo espaço – sempre que ocorrem episódios escabrosos – que bastava esperar, que Lula é o maior produtor de escândalos de corrupção desde que a Frota de Cabral aqui aportou.

Disse isso quando estourou o escândalo Waldomiro Diniz e o governo foi bem-sucedido em sua luta contra o povo brasileiro no sentido de abafar qualquer investigação digna deste nome. Repeti quando o malévolo Presidente Lula se decidiu a blindar o Ministro Henrique Meirelles que para a Receita Federal declarou que em 2001 morava nos EUA e lá declarou seu Imposto de Renda, mas, para Justiça Eleitoral Brasileira, declarou que naquele ano morava no Brasil, sendo ainda acusado de uma série de outras falcatruas contra a ordem econômica, justo ele, guardião da moeda nacional.

Repeti que bastava esperar que mais escândalos surgiriam quando se descobriu que o Ministro Romero Jucá, da Previdência Social, fraudou justamente a Previdência ao apresentar como garantia de um empréstimo tomado no Banco da Amazônia fazendas que só existem no papel...

Quando a Veja publicou aquela reportagem sobre um caso de corrupção – filmado! – nos Correios, o governo se mobilizou em mais uma “operação abafa CPI”. Frustrada esta, mobilizou-se para ocupar os principais postos de uma Comissão voltada a averiguar irregularidades no governo. Mais uma vez, será o governo fiscalizando o governo, o que contraria Beccaria e todo o direito romano: ninguém (por ilação nenhum governo), pode ser seu próprio juiz.

Lula conseguiu criar uma CPI que já nasce com plena incredibilidade. O governo tem o presidente, o vice-presidente e o relator da CPI mista dos Correios para frustrar seus propósitos a exemplo do que fez com a CPMI do Banestado. Realmente, “não deixam pedra sobre pedra”... A maior confissão de culpa é este empenho doentiamente obsessivo do governo Lula para controlar todas as averiguações no afã de esconder alguma coisa.

Os arapongas da ABIN (Agência Brasileira de Inteligência), a mando de José Dirceu, filmaram um funcionário dos Correios recebendo propina em nome do deputado Roberto Jefferson que, para terror de Lula, percebeu a manobra e saiu atirando – e cantando!

Agora, além da CPMI dos Correios (que, se Deus quiser, será acompanhada de perto pela mídia e pela opinião pública em todos os passos que der), Lula terá de enfrentar ainda a CPMI do Mensalão. Toda a opinião pública brasileira anseia pelas apurações detalhadas e profundas de toda a corrupção do governo do PT.

Sigo firme em minha convicção: aconteça o que acontecer, basta esperar mais um pouco e mais denúncias de corrupção brotarão (com direito ao surgimento de secretárias, motoristas e ex-esposas), a enriquecer CPI's e embaraçar o governo que, segundo avaliação das pesquisas de opinião pública, é o mais corrupto da história do Brasil.


Recordar é viver

O Senador Eduardo Suplicy quase foi supliciado publicamente por haver assinado, no primeiro momento, o pedido de instauração da CPI mista dos Correios contrariando determinação do Planalto, do PT e de seus colegas de bancada no Senado Federal.

O novo escândalo suscitado pelo deputado Roberto Jefferson praticamente obrigou o governo a instalar a tal CPI – e ninguém se lembrou de pedir perdão a Suplicy que, inexplicavelmente, segue fiel a um partido e um governo que renega tudo aquilo em que ele, Senador Suplicy, acredita e por que lutou durante sua vida inteira.


Ainda os militares

Como Terceiro Sargento da Ativa da Força Aérea Brasileira eu recebia, logo ao início de minha carreira militar, antes de fazer cursos que me granjearam melhoras salariais e promoções, cerca de 20 salários mínimos. E isto num momento histórico em que o poder aquisitivo do salário mínimo era em muito superior ao atualmente praticado. Colegas informam que hoje, um Terceiro Sargento em início de carreira recebe algo em torno de 5 salários mínimos lembrando que o poder de compra do mínimo de hoje está monstruosamente abaixo daquele praticado 20 anos atrás. O que falta aos nossos governantes para que resgatem a dignidade humana da Família Militar?

Ivone Luzardo, brava presidente da UNEMFA (União Nacional das Esposas dos Militares das Forças Armadas Brasileiras) lidera uma mobilização de esposas de militares que estão acampadas há dois meses na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Já protocolou pelo menos 3 solicitações formais de audiência com o Presidente da República. Infelizmente, Lula anda ocupado demais fazendo discursos de propaganda sobre os pretensos “sucessos” de sua gestão ou no gerenciamento da sucessão interminável de denúncias, crises e escândalos que se abatem sobre seu governo e não tem tido tempo para receber em audiência sequer alguém que consensualmente, é porta-voz da opinião de toda a Família Militar Brasileira...

Em grupos de debates na Internet percebe-se que a paciência dos militares está no limite, a mera sobrevida material dos defensores da Pátria periclita e os nervos de todos estão à flor da pele.           

A prioridade absoluta do governo satânico de Lula da Silva é o pagamento da dívida crescente. Em números miúdos para facilitar nossa compreensão:

O governo Lula paga somente em juros de uma dívida crescente:

R$ 300.000.000,00 por dia

R$ 12.500.000,00 por hora

R$ 208.333,33 por minuto

R$ 3.472,22 por segundo

Ao tempo em que Lula faz um pronunciamento de dez minutos no seu "Café com o presidente" ou o que o valha, reiterando seu compromisso com o social e a sua proposta de combater a corrupção prometendo melhorar a vida dos brasileiros, R$ 2.083.333.33 são jogados literalmente no lixo da especulação financeira.

Esta política econômica irracional, perdulária e fratricida conduz o país aos lucros recordes dos Bancos e à degradação dos serviços públicos de saúde, educação e segurança além de deixar de lado a infra-estrutura e ignorar olimpicamente as justas demandas salariais do funcionalismo.

Discordância de fundo

O combate à corrupção – endêmica e epidêmica no Brasil, mas agudizada e levada ao paroxismo na Era da Traição – é meramente episódico, circunstancial.

Tal qual o governo Collor de Mello, o governo Lula sangra por causa da corrupção. E tal qual o governo Collor de Mello, precisa sangrar para que alguma forma de mudança na política econômica eventualmente aconteça.

Nossa discordância quanto ao governo Lula e que ressalta o fato de haver praticado o maior estelionato eleitoral da história do Brasil está na política econômica irracional, perdulária e fratricida que o governo FHC praticava e com a qual Lula prometia romper. “Mudança” era a palavra usada. Prometia dar um calote numa dívida que já foi paga algumas dezenas de vezes para que pudesse resgatar o social. No poder, deu um calote no social, renega todo o seu passado histórico e segue desviando o dinheiro da produção para a especulação através do pagamento de uma dívida que só faz crescer, devido às mais altas taxas de juros do mundo!

Pagamos mais impostos que os suecos e temos serviços públicos inferiores aos de Bangladesh.

Exemplifico finalizando: se você levou 2 minutos para ler este artigo, saiba que neste tempo Lula jogou na vala da Banca Internacional, R$ 416.666,66, fruto de nosso trabalho através dos impostos que lhe pagamos. É precisamente por isso que a máquina pública está toda podre: saúde, educação, saneamento básico, infra-estrutura, segurança e salários.

 

Lázaro Curvêlo Chaves - 16/06/2005






© Copyright libertad-digital.com





Development Services Network Presence
www.catalanhost.com