Macaqueando antecessores

 

Na economia, Lula imita FHC com todo o rigor fiscal, altas taxas de juros e agudiza ainda mais aquela política antipopular e antipática. Governa para as elites econômicas ligadas ao grande capital internacional com maior rigor e eficiência que o seu antecessor.

Na corrupção ultrapassa Collor de Mello com larga margem. Tem operadores, caixa 2, fantasmas e uma circulação de dinheiro em espécie que jamais se viu neste país. Fico me perguntando se o PT deseja meramente sonegar o CPMF – contra o qual era, quando na oposição, mas que dele usufrui, não mais destinando-o à saúde, mas ao tal “superávit primário”. Não me recordo de ver tamanha lavagem de dinheiro na história recente deste país.

Mesmo para o Ministério do Trabalho imita Collor de Mello e nomeia um sindicalista pelego para posto. De Collor era o “imexível” Magri, o de Lula é o vendido do Marinho que, à frente da CUT, tem por meta caçar uma série de direitos conquistados historicamente pelos trabalhadores deste país.

Na truculência imita o general Figueiredo em lances pirotécnicos violentos voltados a desviar a atenção da população das CPI's que expõem as entranhas do governo mais corrupto que este país já teve. Veja-se o que aconteceu com a loja Daslu. Imita ainda Collor de Mello ao repetir goebelsianamente que está combatendo a corrupção silentemente no interior de seu próprio governo mas se circunscreve a promover megaoperações pirotécnicas no combate à corrupção alheia.


Pesquisas de Opinião

A recente pesquisa “comprada” ao CNT/Census revela que a popularidade de Lula teria aumentado (sic) após as denúncias de corrupção. Um professor petista elabora um documento “provando” que Lula tem um desempenho melhor que o de FHC. Bom, dependendo do parâmetro de medição, realmente: melhorou a lucratividade dos bancos, melhorou o enriquecimento dos aplicadores do mercado financeiro, ampliou-se o fosso social com um enriquecimento recorde dos mais abastados e uma socialização da miséria, que jamais havia atingido patamares tão baixos. Se este fosse o propósito, não haveria reparos. Infelizmente, contudo, ele foi eleito com uma plataforma diferente: ia melhorar a distribuição de rendas, diminuir taxas de juros e atuar contra a lucratividade do mercado financeiro, valorizando mais a produção. Faz tudo ao contrário e, neste sentido, sem sombra de dúvida ultrapassa FHC!

Quanto à pesquisa de opinião, o que dizer? Foi encomendada!

Eu mesmo ousei fazer uma pesquisa de opinião, sem valor científico, conversando com trabalhadores assalariados, funcionários públicos, militares e gente com quem tenho alguma forma de contato, enfim. O resultado foi o seguinte:

50% consideram que Lula deveria ser afastado do cargo por corrupção.

25% consideram que Lula, além de ser afastado deveria ser julgado por crime de lesa-pátria.

20% consideram que Lula deveria ser afastado do cargo por incompetência. Não sabe sequer o que se passa em seu próprio governo, fala como um alienado e suspeita-se mesmo de alienação mental – talvez fosse o caso de afastamento de um presidente para que trate de suas faculdades mentais, visivelmente comprometidas.

5% perguntam “quem é Lula, mesmo?” – formalmente se diz: “não sabem ou não quiseram opinar”.

Repito, esta minha pesquisa não tem valor científico e não seria surpreendente que Lula ousasse se candidatar à reeleição e, pior que tudo, fosse reeleito pela maioria.

Mas será que a maioria tem mesmo sempre razão? A maioria que delirou com Hitler, a maioria que pediu para soltar Barrabás, a maioria que saiu às ruas pedindo a implantação de uma Ditadura Militar no Brasil?


Delfim Netto, o visionário

Em uma das campanhas políticas em que Delfim Netto apoiava Paulo Salim Maluf para a Presidência da República – não me recordo bem se em 1989 ou 1994, disse algo como “devíamos deixar o PT vencer. Seriam 4 anos de agonia e sofrimento generalizado, mas nos livraríamos deles pelo resto da vida!”

Delfim, hoje guindado à posição de principal conselheiro econômico do Ministro da Fazenda, Antônio Palocci, dificilmente manteria aquela assertiva. Lula e o PT nos traíram, traíram seu próprio passado histórico e governam para as mesmas elites que se perpetuam no poder há 505 anos e às quais Delfim Netto serviu durante a ditadura militar.

De todo o modo, nunca antes neste país se viu um governo que unisse tamanha inépcia administrativa a tantas denúncias de corrupção. É duro ser obrigado a admitir, mas Delfim, afinal de contas, estava certo...

 

Lázaro Curvêlo Chaves - 15/07/2005

 




© Copyright libertad-digital.com





Development Services Network Presence
www.catalanhost.com