Aldo Rebelo eleito:
vitória da fisiologia e do “mensalão”

 

Dia 28 a Câmara dos Deputados desceu a seu ponto mais baixo. Depois de ser liderada por um beneficiário de “mensalinho”, tem como presidente o maior defensor do “mensalão”.

Para conseguir esta vitória Lula prometeu, entre outras coisas que se ficou sabendo, o Ministério da Educação a Ciro Nogueira (do PP de Maluf e Severino Cavalcanti) em troca do apoio da bancada do partido ao candidato governista. Não se pensou sequer em cogitar acerca da competência profissional de Ciro Nogueira para o exercício do cargo: não é sequer formado em pedagogia e tenho cá minhas dúvidas se jamais leu algo em torno do tema. A grande questão agora é: Lula cumprirá o que prometeu a Ciro ou, a exemplo do que vem fazendo desde o início do governo, se esquecerá da promessa imediatamente após a vitória?

Consta ainda a cessão do Ministério da Defesa ao PL, de Waldemar Costa Neto, em função da desfiliação do Vice-Presidente da República daquele partido.

Levantou-se ainda a promessa governista de utilizar todos os meios para que os 16 deputados que foram acusados de beneficiários do mensalão – o que se comprovou com cheques recebidos por seus prepostos – saiam livres desta acusação. O próprio Aldo Rebelo está arrolado como testemunha de defesa de José Dirceu, chefe da quadrilha do mensalão.

Foi um rolo compressor. O governo mais corrupto da história do Brasil segue corrompendo e encontrando deputados venais. Mesmo sabendo que nem sempre o governo dispõe dos meios necessários – vontade política, honra ou mesmo recursos – para arcar com seus compromissos.


Economia, o ponto forte do governo?

Os números estão maravilhosos, o gângster atualmente respondendo a processo no STF por evasão de divisas, fraude eleitoral e crime contra o sistema financeiro, Sr. Henrique Campos Meirelles acaba de ser aclamado pelos banqueiros internacionais como “O Melhor Presidente de Banco Central do Mundo”. Sendo uma mãe para os banqueiros, como tem sido, não se esperava outra coisa por parte dos maiores beneficiários do governo Lula.

Apesar dos números, que indicam inflação sob controle, queda no desemprego e aumento no poder aquisitivo, na prática isso não se enxerga, não se vivencia.

Com exceção dos banqueiros, agiotas e corruptos, para quem Lula vem governando, todos os brasileiros estão gastando cada vez mais para comprar cada vez menos bens de consumo. E é esta política econômica, com uma propaganda maciça dos detentores do Capital, que, segundo a lógica do Planalto, haverá de conceder a Lula um segundo mandato.


Lula garante mais uma vez que política econômica não sofrerá mudanças

Em praticamente todas as oportunidades por ele montadas, com claques regiamente remuneradas, Lula garante que “não fará nenhuma maluquice” em termos econômicos. O que ele fez ao montar o esquema do mensalão para deputados não deve ser considerado “maluquice”. Vale roubar, subornar, fazer uso privado do dinheiro público, etc. Só não vale mudar os rumos da economia.

O que diz e repete a cada oportunidade, é que os banqueiros internacionais podem seguir tranquilamente aplicando seus recursos no Brasil que serão remunerados com os maiores juros do mundo pelos impostos arrancados aos trabalhadores. Lula vai ainda mais longe do que ousava o Conde de Barbacena (Vice-Rei da Colônia Brasil em 1789), que cobrava 20% de impostos de todos a remeter a Portugal. Lula cobra 40% – o imposto mais alto do planeta Terra – para remunerar banqueiros. Vivemos sob a ditadura do Capital e Lula se engana ao dizer que “não seguirá nenhum plano econômico”. Ele segue caninamente o Plano Real – versão brasileira do Plano Cavallo, eco do “Consenso de Washington” em suas principais diretrizes, aqui implementadas pelos tucanos: buscar uma moeda com valor equivalente ao dólar estadunidense, cobrar juros escorchantes, reduzir o poder de compra dos salários e o ritmo da economia.

Aliás, esta semana marcou ainda a saída do deputado Sérgio Miranda – Autor do livro “A Herança Maldita de FHC” – do PC do B para o PDT.


Oportunistas trocam de partido

Há tempos um grupo de parlamentares petistas vem e segue discursando contra a política econômica do governo mas votando a seu favor, convalidando a farra dos banqueiros por ação ou omissão, como Ivan Valente e Chico Alencar. Estes parlamentares migraram para o PSOL no último momento do prazo necessário a que possam se candidatar no próximo pleito. Será que convencerão o eleitorado que, apesar de manterem o mesmo discurso, terão uma prática com ele coerente ou levarão esta incoerência para que o PSOL se transforme num novo PT?


Ponto positivo do governo Lula

Providencial a retirada do ar da campanha “Um bom exemplo, tudo começa por aí”. Ponto para o governo. Houve aumento na criminalidade e até o futebol foi contaminado pelos “exemplos” que vêm de cima.  Com estes exemplos, o melhor a fazer mesmo foi retirar aquela campanha do ar!

 

 

Lázaro Curvêlo Chaves – 29/09/2005

 

 




© Copyright libertad-digital.com





Development Services Network Presence
www.catalanhost.com