A Ditadura dos Bancos e Lula, o Exterminador do Futuro

 

Bancos Itaú e Bradesco registram novos lucros recordes

Segundo reportagens jornalísticas desta semana, beneficiado pela manutenção de altos spreads (diferença entre o custo de captação e o juro cobrado nos empréstimos) e pelo aumento da demanda por financiamentos, o Itaú registrou lucro recorde de R$ 5,251 bilhões em 2005, o que representou um aumento de 39% em relação a 2004. De acordo com estudo da consultoria Economática , trata-se do melhor resultado já registrado por uma instituição financeira NO MUNDO. A marca, porém, não deve durar muito. O Bradesco está publicando também o seu que registra um ganho superior a R$ 5,5 bilhões.

Na segunda-feira, Banco do Brasil e Caixa Econômica também anunciaram lucros recordes em 2005 (R$ 4,1 bilhões e R$ 2 bilhões, respectivamente). Semana passada foi a vez de o Unibanco divulgar o melhor resultado de sua história: lucro líquido de R$ 1,838 bilhão, alta de 43,3% frente a 2004, puxado por operações de crédito.

O maior impacto veio do aumento das despesas com créditos de recebimento duvidoso, que aumentaram 135% nos últimos 12 meses. Passaram de R$ 1,582 bilhão, em dezembro de 2004, para R$ 3,716 bilhões no fechamento de 2005. Ao fim do ano, o saldo das provisões excedentes (além do mínimo exigido pelo Banco Central) foi reforçado em R$ 370 milhões, totalizando R$ 1,370 bilhão – UM BILHÃO E TREZENTOS E SETENTA MILHÕES DE REAIS!


Trocando em miúdos: vivemos sob a ditadura dos bancos

A cada vez que se faz um depósito, um saque, uma consulta, um empréstimo ou um financiamento junto a uma agência bancária brasileira se paga. E se paga no Brasil muitíssimo mais que em todos os outros países do planeta.

Economia é um sistema fechado. Se há grande concentração de um lado, há uma perda e desconcentração correspondente em outro. No Brasil de Lula, à direita do FMI, assistimos e vivenciamos à mais cruel transferência de rendas dos mais pobres para os mais ricos desde que a frota de Cabral aqui aportou.

A legislação brasileira facilita a remessa de recursos ao exterior e dificulta seu reingresso. Contrapondo-se a isto, o governo Lula tomou a medida de reduzir (em alguns casos, eliminar) os impostos de dólares repatriados, naturalmente para que seus comparsas possam trazer de volta o que daqui levaram.


Aumenta a Inadimplência nos Bancos: de 2,9% para 3,5%

Esforçando-se para ampliar seus lucros através de financiamentos e não perder terreno para os concorrentes, o Itaú acabou se aventurando em áreas em que historicamente manteve uma posição discreta, como crédito ao consumo e financiamento a pequenas empresas. É de longe o segmento que apresenta as maiores margens de lucro, mas ao mesmo tempo o maior risco no recebimento do crédito, apesar da figura jurídica recém criada do “desconto em folha”, que tem levado muitos aposentados e pensionistas ao suicídio.

— É um processo natural. O crescimento da carteira vem sempre antes de um possível aumento da inadimplência — afirmou o presidente do Itaú, Roberto Setúbal. Se antes Setúbal tinha motivos para temer Lula, hoje é um dos maiores interessados em que se perpetue no Poder garantindo-lhe lucros sempre maiores ano a ano. Não há margem para dúvida: Lula governa para os banqueiros e o sistema financeiro, em detrimento do bem-estar do povo brasileiro. Além do lamaçal inédito de corrupção, subornos a parlamentares, mensalões e desvios de recursos que tem sido marca registrada de seu governo, formalmente governa para as mesmas elites contra as quais sempre discursou desde o início de sua carreira política, fazendo as delícias do rapinante empresariado brasileiro e causando horror até ao organismo mais antipático do mundo, insuspeito de qualquer eivor de humanismo, chamado Fundo Monetário Internacional, que insiste na clemência de Lula para com o povo brasileiro, arrochado além da conta.

O patrimônio líquido do Banco Itaú chegou ao fim do ano passado em R$ 15,56 bilhões, número 11,37% superior ao fim de 2004.

A receita de serviços da instituição – que cresceu 25,5% e foi a R$ 7,737 bilhões – prestando importante colaboração para o resultado de 2005. Os principais componentes da receita de serviços foram: segmento de cartão de crédito (22% do total), administração de fundos e recursos (21,8%) e os serviços de conta corrente (18,5%).


Telefones mais caros a partir de abril

Com a mudança do sistema de cálculo de pulsos para minutos falados, as empresas de telefonia ampliarão seus lucros pavorosamente. E o usuário de telefone passará a pagar muito mais para dialogar com amigos ou contatar serviços por telefone. Estima-se que, para conversas locais (interurbanos são um caso extorsivo à parte...) com 5 a 10 minutos de duração teremos de pagar um valor até 150% (CENTO E CINQÜENTA POR CENTO) superior ao atual.


Última forma!

Já havia escrito as linhas acima quando o governo Lula decidiu adiar para o ano que vem o aumento astronômico na cobrança das tarifas telefônicas. Salvo novas mudanças de rumos e idéias que este é o governo mais errático da história do mundo, as regras – e os preços – seguirão as mesmas até o próximo ano. Na avaliação do Planalto seria um grave desgaste aumentar em 150% as tarifas telefônicas no meio do ano eleitoral de 2006. Ano que vem, se o coisa ruim se reeleger, salve-se quem puder!


A Casa dos Políticos

No programa do Amaury Jr., a cantora e ativista Rita Lee teve uma daquelas idéias brilhantes, dignas do seu gênio criativo.

Reclamando da inutilidade de programas como o Big Brother, ela deu a seguinte sugestão: colocar todos os pré-candidatos à presidência da República trancados em uma casa, debatendo e discutindo seus respectivos programas de governo.

Sem marqueteiros, sem máscaras e sem discursos ensaiados.

Toda semana o público vota e elimina um.

No final do programa o vencedor ganharia o cargo público máximo do país.

Além de acabar com o enfadonho e repetitivo horário político, a população conheceria o verdadeiro caráter dos candidatos.


Inaugurando buracos tapados, antigas universidades e aeroportos

A pesquisa CNT Census, diante de tanto descalabro administrativo e desvios éticos parecia nitidamente carecer de legitimidade. Quarta-feira passada, contudo, o Instituto Datafolha publicou dados similares: cresce a popularidade de Lula da Silva que, segundo as projeções, derrota os adversários tucanos por larga margem. Não que faça grande diferença, os tucanos praticam precisamente o mesmo tipo de política econômica e desvios éticos, apenas são mais discretos...

A única explicação plausível, contudo, para o sucesso de Lula nas pesquisas de opinião pública (ressalvado o fato de, no plebiscito acerca do desarmamento todas apontarem na direção do “sim” e o “não” ganhou com larga margem) reside no fato de ele fazer bem uma única coisa: discursos.

Não há dia em que Lula não apareça na TV discursando em inaugurações as mais diversas: buracos tapados, lançamentos de pedras fundamentais, reinaugurações de hospitais em funcionamento há décadas... Só o aeroporto dos Guararapes, em Recife, já foi reinaugurado 3 (TRÊS) vezes! Sempre debaixo do aplauso bem remunerado dos seguidores dos caciques locais aliados a Lula que são fartos em distribuição de lanches, transporte, bandeirolas e faixas para eventos desta natureza.

A maioria das inaugurações sequer é obra do Governo Federal! Lula ouve falar de alguém que tomou uma iniciativa interessante qualquer em algum lugar do país apesar de toda a agonia financeira em que nos enfiou e lá vai ele colher os louros de uma iniciativa alheia. Seria ridículo se não fosse tão eficaz! O profissionalismo dessa gente transforma Goebbels (Ministro da Propaganda Nazista) em mero colegial...

De todas as frustrações, desilusões e desesperanças por que já passamos, a reeleição de Lula da Silva seria a maior hecatombe da história nacional. Antigo adágio místico informa que “cada povo tem o governo que merece”. Que o Deus de nossos corações ilumine os brasileiros no encaminhamento deste momento gravíssimo da vida nacional. Ah, Senhor Meu Deus! Não merecemos mais quatro anos de agonia, desespero, desemprego, corrupção, miséria e entreguismo ao sistema bancário. Tende piedade de nós!


Lula, o Exterminador do Futuro

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo de terça-feira passada, 27% dos jovens brasileiros não trabalham nem estudam

A maioria dos jovens, ao concluir o ensino fundamental, só encontra portas fechadas. Não consegue prosseguir nos estudos e não encontra inserção no mercado de trabalho. No caso das escolas, a alegação usual é que “não há vagas”; no mercado de trabalho os encargos empregatícios de um menor – e com pouca ou nenhuma experiência, ainda por cima – tornam-no inacessível. Ao natural crescimento demográfico nacional não correspondeu um investimento em estabelecimentos de ensino, tampouco sobram outras alternativas.

Sem estudar ou trabalhar, o jovem preenche seus dias e noites em farras, passeios, discussões domésticas frequentemente redundando em violência, muitas vezes abandonam o lar e enveredam pelos caminhos mais fáceis e únicos que se lhes apresenta: o da criminalidade através do tráfico de entorpecentes ou o envolvimento em furtos e seqüestros...

Segundo a reportagem do conceituado Jornal paulistano, uma pesquisa realizada pelo Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas) e pelo instituto Pólis, feita com 8.000 jovens, 27% dos brasileiros de 15 a 24 anos nessas regiões do país estão sem atividades profissionais ou educacionais.

Um quadro muito parecido é revelado pela PME (Pesquisa Mensal de Emprego) do IBGE. Feita em seis regiões metropolitanas, ela indica que em dezembro do ano passado 23% da população (ou 1,7 milhão de jovens) entre 16 e 24 anos não estudava nem trabalhava. Desses 1,7 milhão, 1,1 milhão (ou 67%) nem sequer procurou emprego no mês de referência da pesquisa.

Hostilizados por familiares por não conseguir dar prosseguimento a um futuro minimamente condigno (já não se cogita do tempo em que esta atribuição era precipuamente dos pais, com o respaldo estatal, pelo menos até a conclusão do curso superior...), não se pode dizer que todos os jovens sem emprego e trabalho sejam ociosos: “Pode parecer que ficam todos parados na esquina, sem fazer nada. Muitos estão procurando emprego ou vinculados a projetos sociais. Eles não estão nessa situação porque querem. Alguns saíram da escola porque repetiram várias vezes. Outros tentam entrar numa universidade ou conseguir um emprego, mas neste país isso não é tão simples”.

Após fazer a pesquisa com 8.000 jovens, o Ibase coordenou também grupos de discussão com 900 adolescentes. Patrícia Lânes, pesquisadora do instituto, conta que uma queixa comum foi a restrição do mercado de trabalho.

“Sem experiência, não conseguem se inserir no mercado de trabalho. No entanto, sem a inserção, também nunca terão essa experiência. Muitos reclamaram ainda de preconceito por causa de sua aparência. Dizem que não conseguiram um emprego por causa da cor da pele ou porque não usam a roupa ou o cabelo da moda”, afirma a pesquisadora do IBASE.

A socióloga Helena Abramo, organizadora do livro “Retrato da Juventude Brasileira”, vai ainda mais longe: “O trabalho se tornou um bem tão escasso que gera uma angústia nesses jovens. As pesquisas feitas com eles mostram uma preocupação grande de "sobrarem" no mercado de trabalho”.

Contudo, a preocupação não é (ou não deveria ser) principalmente com o canibalesco mercado de trabalho. Por que é que esses jovens não estão na Escola? Não há oferta de vagas? Faltam vagas noturnas? É preciso que a escola forme os cidadãos do Futuro e esse extermínio sistemático do Futuro de nossas crianças chegue a um fim!


Lázaro Curvêlo Chaves – 23/02/2006

 

 




© Copyright libertad-digital.com





Development Services Network Presence
www.catalanhost.com